Debate discutirá as especificidades da violência contra a Mulher Imigrante – LIVE 8/3/22

AS AGRESSÕES VÊM DE UMA PESSOA PELA QUAL SE NUTRE ALGUM TIPO DE AFETO. OS PRINCIPAIS AGRESSORES POSSUEM ALGUM VÍNCULO COM A VÍTIMA, SENDO UM EX-COMPANHEIRO, COMPANHEIRO OU PAI.

fonte: Fórum Brasileiro de Segurança Pública (2021).

Um dos grandes dramas da sociedade, a violência contra mulheres é uma agressão aos direitos humanos, que coloca em risco a vida, a saúde e a integridade física. Na internet e nas ruas, a cada ano, cresce a quantidade de ativistas mulheres (imigrantes) que estão se manifestando em defesa da igualdade de gênero e o fim de qualquer tipo violência.

DEVASTADORAMENTE GENERALIZADA: 1 EM CADA 3 MULHERES EM TODO O MUNDO SOFRE VIOLÊNCIA

OMS revela que mulheres mais jovens entre as de maior risco.

A violência contra as mulheres continua devastadoramente generalizada e começa assustadoramente entre jovens, revelaram novos dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) e parceiros. Ao longo da vida, uma em cada três mulheres, cerca de 736 milhões, é submetida à violência física ou sexual por parte de seu parceiro ou violência sexual por parte de um não parceiro – um número que permaneceu praticamente inalterado na última década. 

Essa violência começa cedo: uma em cada quatro mulheres jovens (de 15 a 24 anos) que estiveram em um relacionamento já terá sofrido violência de seus parceiros por volta dos vinte e poucos anos.

“A violência contra as mulheres é endêmica em todos os países e culturas, causando danos a milhões de mulheres e suas famílias, e foi agravada pela pandemia de COVID-19”, declarou Tedros Adhanom Ghebreyesus, diretor-geral da OMS. “Mas, ao contrário da COVID-19, a violência contra as mulheres não pode ser interrompida com uma vacina. Só podemos lutar contra isso com esforços sustentados e enraizados – por governos, comunidades e indivíduos – para mudar atitudes prejudiciais, melhorar o acesso a oportunidades e serviços para mulheres e meninas e promover relacionamentos saudáveis e mutuamente respeitosos.”

A violência praticada pelo parceiro é de longe a forma de violência mais prevalente contra as mulheres em todo o mundo (afetando cerca de 641 milhões). No entanto, 6% das mulheres em todo o mundo relatam ter sido abusadas sexualmente por alguém que não seja seu marido ou parceiro. Dados os altos níveis de estigma e subnotificação de abuso sexual, o número real provavelmente é significativamente mais alto

A violência contra as mulheres deve ser evitada

A violência – em todas as suas formas – pode ter um impacto na saúde e no bem-estar de uma mulher pelo resto de sua vida – mesmo muito depois de a violência ter acabado. Está associado ao aumento do risco de lesões, depressão, transtornos de ansiedade, gravidez não planejada, infecções sexualmente transmissíveis, incluindo HIV, e muitos outros problemas de saúde. Isso tem impactos na sociedade como um todo e vem com custos enormes, impactando os orçamentos nacionais e o desenvolvimento geral.

A prevenção da violência exige o enfrentamento das desigualdades econômicas e sociais sistêmicas, garantindo o acesso à educação e ao trabalho seguro e mudando as normas e instituições discriminatórias de gênero. As intervenções bem-sucedidas também incluem estratégias que garantam que os serviços essenciais estejam disponíveis e acessíveis às sobreviventes, que apoiem as organizações de mulheres, desafiem as normas sociais injustas, reformem as leis discriminatórias e fortaleçam as respostas legais, entre outros.

“Para lidar com a violência contra as mulheres, há uma necessidade urgente de reduzir o estigma em torno dessa questão, capacitar profissionais de saúde para entrevistar sobreviventes com compaixão e desmontar as bases da desigualdade de gênero”, disse Claudia Garcia-Moreno, da OMS. “Intervenções com adolescentes e jovens para promover a igualdade de gênero e atitudes com igualdade de gênero também são essenciais.”

Os países devem honrar seus compromissos de maior e forte vontade política e liderança para enfrentar a violência contra as mulheres em todas as suas formas, por meio de:

• Políticas sólidas de transformação de gênero, desde políticas em torno de cuidados infantis até salários iguais e leis que apoiam a igualdade de gênero;

• Uma resposta reforçada do sistema de saúde que garante o acesso a cuidados centrados na sobrevivente, com encaminhamento para outros serviços conforme necessário;

• Intervenções escolares e educacionais para desafiar atitudes e crenças discriminatórias, incluindo educação sexual abrangente;

• Investimento direcionado a estratégias de prevenção sustentáveis e eficazes baseadas em evidências nos níveis local, nacional, regional e global; e

• Fortalecimento da coleta de dados e investir em pesquisas de alta qualidade sobre a violência contra as mulheres e melhorar a mensuração das diferentes formas de violência vivenciadas pelas mulheres, incluindo aquelas que são mais vulneráveis.

Links para acompanhar o debate em 8 de março de 2022 a partir das 10:00h.

:::::::::::: FACEBOOK ::::::::::::

::::::::::::: YOUTUBE :::::::::::::

Genebra/Nova York
fonte: paho.org

Fonte : boliviacultura.com.br

Close Bitnami banner
Bitnami